sexta-feira, 7 de novembro de 2008

Um dia de Cecília Meireles

Neste poema dedicado à Inconfidência Mineira, do livro Romanceiro da Inconfidência, Cecília com toda sensibilidade e genialidade trabalha a metalinguagem ao mesmo tempo em que questiona o poder da palavra, que aprisiona e liberta. Antes de entender, procure senti-lo.

Romance LIII ou das palavras aéreas

Ai, palavras, ai, palavras,
que estranha potência, a vossa!
Ai, palavras, ai, palavras,
sois de vento, ides no vento,
no vento que não retorna,
e, em tão rápida existência,
tudo se forma e transforma!
Sois de vento, ides no vento,
e quedais, com sorte nova!
Ai, palavras, ai, palavras,
que estranha potência, a vossa!
Todo o sentido da vida
principia à vossa porta;
o mel do amor cristaliza
seu perfume em vossa rosa;
sois o sonho e sois a audácia,
calúnia, fúria, derrota...
A liberdade das almas,
ai! com letras se elabora...
E dos venenos humanos
sois a mais fina retorta:
frágil, frágil como o vidro
e mais que o aço poderosa!
Reis, impérios, povos, tempos,
pelo vosso impulso rodam...
Detrás de grossas paredes,
de leve, quem vos desfolha?
Pareceis de tênue seda,
sem peso de ação nem de hora...
- e estais no bico das penas,
- e estais na tinta que as molha,
- e estais nas mãos dos juízes,
- e sois o ferro que arrocha,
- e sois barco para o exílio,
- e sois Moçambique e Angola!
Ai, palavras, ai, palavras,
íeis pela estrada afora,
erguendo asas muito incertas,
entre verdade e galhofa,
desejos do tempo inquieto,
promessas que o mundo sopra..
Ai, palavras, ai, palavras,
mirai-vos: que sois, agora?
- Acusações, sentinelas;
bacamarte, algema, escolta;
- o olho ardente da perfídia,
a velar, na noite morta;
- a umidade dos presídios,
- a solidão pavorosa;
- duro ferro de perguntas,
com sangue em cada resposta;
- e a sentença que caminha,
- e a esperança que não volta,
- e o coração que vacila,
- e o castigo que galopa...
Ai, palavras, ai, palavras,
que estranha potência, a vossa!
Perdão, podíeis ter sido!
- sois madeira que se corta,
- sois vinte degraus de escada,
- sois um pedaço de corda...
- sois povo pelas janelas,
cortejo, bandeiras, tropa...
Ai, palavras, ai, palavras,
que estranha potência, a vossa!
Éreis um sopro na aragem...
- sois um homem que se enforca!

2 comentários:

Círculo Literário disse...

Gostaria de pedir gentilmente a sua visita no Blog do Circulo Literario Barbarense, este circulo reúne escritores e artistas de Sta Bárbara , interior de Sp...Queremos o apoio e os comentários dos blogueiros que se preocupam com a Cultura, assim como vc, para difundirmos a Arte aqui na Cidade, precisamos do seu apoio, visite o blog, se puder deixe criticas e sugestões, pretendemos publicar trabalhos dos participantes. Contamos com vc , já que não podemos contar com as Autoridades, as quais não querem um povo intelectualizado.
Grande Abraço!!

Leonor Cordeiro disse...

Querida Naurelita,

Essa menina linda é sua filha? Gostaria que ela visitasse o bloguinho O MUNDO ENCANTADO DE CECÍLIA MEIRELES. Nesse bloguinho eu levo Cecília para as crianças. Que tal uma visita? rsrsrs
Naurelita, obrigada por você ter participado da blogagem coletiva.
Você escolheu poemas lindos. Parabéns pela postagem !
Mil beijinhos!
Com carinho,

Leonor Cordeiro

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...